Thursday, April 3, 2008

Geologic lines


A geologic line perpendicular to the river and passing by AGZ

4 comments:

Pedro Alvim said...

Não... É demais... :-)

Elias Lopez-Romero said...

Bom dia. Isto é sem dúvida uma constante do megalitismo atlântico sobre a qual não existem muitas pesquisas específicas. A minha perspectiva é que a situação dos monumentos sobre estas linhas geológicas corresponde principalmente ao aproveitamento da sua geomorfologia diferencial: as zonas de contacto geológico são áreas de erosão diferencial que, ao passo dos milénios, tem conformado plataformas mais elevadas no entorno. E o caso da "separação" em duas "zonas" N e S da bacia do Sever, e ainda de regiões do sul da Bretanha francesa. Publiquei alguns destes dados na minha Tese de doutoramento (López-Romero, 2005), num recente artigo na revista Trabajos de Prehistoria (2007) e num artigo no prelo sobre a Bretanha (L'Anthropologie, 2008). E uma perspectiva aberta a discussão, mas os exemplos são já numerosos. Não conhecia o caso específico da AGZ, mas acho merece uma análise neste sentido.

Manuel Calado said...

Pois é Elias.
E que tal se pusesses os teus textos, em pdf., na secção destinada a esse fim, na Arqueologia Digital?
Os colegas brasileiros talvez precisem de testar lá este tipo de observações... E os portugueses também...

Pedro Alvim said...

Muito interessante!
O recinto e o menir dos Almendres também estão, aparentemente, sobre uma falha geológica, orientada, coincidentemente, com o principal alinhamento astronómico do conjunto.
(Pode-se ver no mapa deste conjunto, no meu texto ["Menires, Paisagem, Paisagens", que está no site do GEMA.)
Não tratei este assunto com mais profundidade por pensar que se tratava de um caso isolado...
Então, a ver se consigo ler o que escreveste Elias...